O que pode acontecer quando um movimento de pessoas otimistas com a ideia de viver um futuro descentralizado e justo, se juntam para realizar o maior evento da América Latina de blockchain e web3?

Crentes de que essa ideia é possível e não utópica, e interessados nesse movimento, a Alma DAO decidiu mergulhar de cabeça na Ethereum Rio e lançar oficialmente a sua marca ao mercado.

Mas pera aí. Alma DAO? Do que estamos falando?

Para entender o que é a Alma DAO, será preciso entender o que é uma DAO e porque elas existem.

DAOs são “Decentralized Automonous Organizations” (Organizações autônomas e descentralizadas). A concepção mais simples vem do influenciador Coopatroopa.

“DAOs são comunidades que dividem cap table (sociedade) e uma conta bancária (em crypto)”.

Sendo assim, um grupo de 05 pessoas no Discord, Telegram ou Whatsapp, que dividem 01 Ether, pode ser considerado uma DAO. Mas olhando por esse ângulo, o que existe de tão especial em DAOs?

Quantas vezes ao longo de nossa vida já reclamamos sobre como o Estado consegue ser tão ineficiente? Quantas vezes ouvimos dizer de abusos na cadeia produtiva de diversas indústrias, desde a têxtil até a alimentícia? Ou então, quantas injustiças e violações as redes sociais e grandes marcas cometem no com nossos dados? E o que meros mortais podem fazer com relação a tudo isso? Nada de efetivo. Afinal, em todos esses casos o poder de tomada de decisão está centralizado nas mãos de poucas pessoas e instituições.

Agora imagine se as decisões das Big Techs pudessem ser influenciadas ou tomadas pelos próprios usuários? E se não precisássemos do Uber para pegar uma carona paga? E se eu pudesse ser dono dos meios de criação e de distribuição das minhas artes? E se não precisássemos de um banco para pegar um empréstimo? E se pudéssemos sempre decidir o que fazer com nossos dados? E se quiséssemos ser anônimos?

Seria um mundo sem intermediários extraindo valor na cadeia produtiva, onde comunidades decidiriam o seu próprio futuro de maneira coletiva, e os indivíduos voltariam a ter o poder e a responsabilidade sobre seus dados e informações. Seria um mundo descentralizado, e aparentemente mais transparente e justo.

E para não deixar essas ideias no campo da utopia, as DAOs estão nascendo. Hoje pode-se dizer que DAOs são como um grande experimento social de um grupo de pessoas movidas por uma grande missão massiva e comum, com a intenção de resolver algum problema do mundo tomando decisões em conjunto, e usando tecnologia blockchain como meio.

Um dos exemplos mais recentes de DAOs foi a “Constitution DAO”, que arrecadou em 72 horas mais de US$ 47 milhões de dólares para comprar em um leilão uma cópia original da constituição dos Estados Unidos da América e devolver para o povo o que hoje está na mão de grandes famílias poderosas americanas (um propósito claro e massivo). Mas DAO’s não se limitam a ações pontuais como essas. Elas podem ser corporações, como startups e grandes empresas, que possuem propósitos infinitos.

Dito isso, quem é a Alma DAO? A Alma é um grupo de 28 empreendedores unidos pela web3 e o potencial que ela tem de mudar o mundo. A Alma nasce com missão comum de fomentar as melhores iniciativas de Web3 no Brasil e do mundo, pois acreditam que ele pode ser constituído de iniciativas e negócios com mais ALMA, verdade, transparência e justiça. Para se comunicar com o mercado, e expressar sua missão, eles criaram o Manifesto da Alma.

Alguns dos membros da Alma que puderam estar presentes hoje na ethereumrio!

E o que chama mais atenção nesse grupo, são os nomes e o histórico de negócios que carregam. Entre eles estão Tallis Gomes, Rony Meisler, Bruno Nardon, Ivan Pereira e Rapha Avellar. São empreendedores de diversas indústrias como tecnologia, varejo, creator's economy, saúde e bem-estar, comunicação, educação, venture capital, blockchain, que decidiram se unir. Agora imagine o que 28 nomes como esses podem fazer pelo movimento de web3 atuando de maneira orquestrada e em prol de algum objetivo. Quando somamos a experiência que eles carregam à acesso a capital de risco, educação, tecnologia, networking e outros recursos, o poder de impacto pode ser gigantesco na vida de uma startup. E é isso que vieram fazer.

Com tudo isso, a AlmaDAO mergulhou na Ethereum Rio para começar o trabalho de fomentar as iniciativas que moldarão o futuro da humanidade usando blockchain.

Agora, nem tudo são flores. Uma DAO é complexa de operar, e ainda não existem experimentos maduros o suficiente no mundo para enxergarmos os padrões daquilo que funciona e não funciona. Os desafios de uma DAO passam pela complexidade de coordenação, governança, métodos de compensação para a comunidade e facilitação do processo de entrada de pessoas na DAO (onboarding), entre outros. E como uma empresa Nativa em Web3, a Alma DAO está prestes a viver a felicidade e a dor de ser uma empresa web3. Mas como eles superarão esses desafios ainda são cenas dos próximos capítulos.

Muita gente tem perguntado sobre as NFT’s que cada membro carrega no profile de suas redes sociais. Elas foram mintadas na rede Ethereum e terão sua função divulgada em breve ao público, mas certamente terão um papel fundamental no ciclo de fomento.

Ao mergulhar no Evento, foi incrível ver quem são os empreendedores e marcas pioneiras na América Latina. Para se ter uma ideia da energia deste evento, basta pensar que são os early adopters de uma “nova” tecnologia com potencial de mudar o mundo. Estávamos lidando com os otimistas dos otimistas. Pessoas que estão pensando em derrubar barreiras inimagináveis. Quem sabe daqui alguns anos, ouviremos dizer quem fulano ou ciclano, mudaram o mundo e estiveram neste evento.

E uma característica muito marcante do evento, e que também é observada em diferentes servidores de Discord ao redor do mundo, é o senso de colaboração extrema desse movimento. Mesmo quando comparada com o universo clássico de startups, a comunidade de web3 é ainda mais aberta e colaborativa. Todos compartilham suas ideias e iniciativas, estão abertos a parcerias e se ajudando a superar cada desafio. Como elas carregam um propósito muito forte, muitas vezes as pessoas ajudam sem pedir nada em troca. Nem mesmo salário.

Durante a Ethereum Rio ficou nítido que existem muitos prestadores de serviço prontos para ajudar esse ecossistema a decolar. Empresas como Harmony, Celo, 1Linch, Livepeer, Brave, Metamask, ENS Domains, entre outras estiveram presentes no evento. Esses serviços oferecem desde infraestrutura para as startups até mídia para distribuição.

Durante os Launchpads do evento, vivemos um momento interessante de pitch reverso, onde investidores fizeram seus pitchs para as startups. Dentre os investidores deste ecossistema, tivemos como destaque Sandbox, 2TM e a VALOR CAPITAL marcando presença e deixando muito claro que eles estão famintos por bons projetos de web3, e que o capital está disponível.

Uma característica muito marcante no evento, e acreditamos ser uma característica da América Latina, são iniciativas em blockchain para geração de impacto social. Alguns bons exemplos foram as empresas Ribon e Play for Change. Além disso, outra tendência da região é a adesão das StableCoins por cidadãos de países como Brasil, Argentina e Venezuela para se proteger da inflação. O assunto de stablecoins é relevante, pois mostra que países subdesenvolvidos talvez vivam uma necessidade de adotar crypto moedas para se proteger de inflação. Enquanto isso, em países europeus a motivação para o uso de crypto moedas é muito mais no campo da digitalização das coisas e avanço tecnológico. Quando consideramos os países de língua espanhola e portuguesa juntos, eles formam um bloco extremamente relevante no mundo crypto. Certamente, LATAM fará muito barulho no ecossistema.

Claro que não poderiam faltar iniciativas de NFT e arte. Nesse aspecto tivemos a presença de artistas incríveis como o Uno de Oliveira, Marcus MPC e Rejane Cantoni apresentando suas histórias e processos artísticos, e falando sobre como a web3 abriu uma nova porta para que artistas vivam da sua arte e seu talento. Outras iniciativas presentes no evento passam por DeFi, diversas DAOs, e empresas fomentando e educando o ecossistema como o Bankless Brasil, como a @BitdasMinas (Giovana Simão) e o Isac Honorato (CoinTimes).

Após a vivência nesse universo, ficamos com a sensação de que algo grandioso e importante está acontecendo. E respondendo à pergunta do início deste artigo, sobre o que pode acontecer quando otimistas se unem para pensar no futuro do mundo com web3, a resposta é simples.

Certamente o que está por vir é surpreendente. Não temos como desenhar o futuro e acertar o que está por vir. Mas ao mesmo tempo, ele é inevitável. Pois certamente irá acontecer. E para a Alma DAO, não tem nada que nos deixe mais empolgados do que isso!